PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER CADASTRE-SE AQUI

CONTATO

31 3222.0259 mapa
Rua da Bahia, 1900, 4º andar, Lourdes - Belo Horizonte
31 3335.8560 mapa
Av Olegário Maciel, 1600. Lourdes Shopping Diamond Mall - Belo Horizonte
16 mai 2014

A inatividade física a partir de 30 anos de idade é um dos fatores de risco que mais predispõe ao desenvolvimento de doença cardíaca nas mulheres

Alguns fatores de risco – tais como o excesso de peso, tabagismo e hipertensão arterial – são conhecidos por aumentar risco de desenvolver doenças cardíacas em mulheres. Mas agora, a pesquisa publicada no British Journal of Sports Medicine sugere que, a partir de 30 anos de idade, a inatividade física tem o maior impacto sobre o risco em mulheres.

Os pesquisadores usaram dados de 32.254 participantes de um Estudo Longitudinal Australiano sobre a Saúde da Mulher, que acompanha a saúde a longo prazo de mulheres nascidas em determinados períodos de tempo entre 1921 e 1978.

Nos EUA, a doença cardíaca é a principal causa de morte, e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) alertam que as pessoas de todas as idades e origens estão em risco para a doença.

De acordo com a American Heart Association ( AHA) , mais do que 1 em cada 3 mulheres nos EUA estão vivendo com a doença cardiovascular (DCV), isso inclui quase 50% de todas as mulheres afro-americanas e 34% das mulheres brancas.

Para este último estudo, os pesquisadores queriam comparar estimativas dos quatro principais fatores de risco de doenças cardíacas:

– Elevado índice de massa corporal (IMC)

– Fumante

– Pressão arterial elevada

– Inatividade física

A equipe observa que esses quatro fatores de risco são responsáveis ​​por mais da metade da prevalência global de doenças cardíacas, a principal causa de morte em todos os países de alta renda.

 

Eles empregaram uma fórmula matemática utilizada para avaliar a proporção da doença em uma população específica, que desapareceria se a exposição a um determinado fator de risco fosse removida.

Baixos níveis de atividade física influenciaram mais do que qualquer outro fator de risco.

Também foram utilizados e aplicados às mulheres australianas que participaram no estudo dados do Global Burden of Disease Study.

Os pesquisadores observaram que a prevalência do tabagismo caiu de 28% em mulheres 22-27 anos de idade para 5 % naqueles com idade entre 73 e 78.

No entanto, a prevalência de sedentarismo e pressão arterial elevada aumentou, em sua expectativa de vida, dos 22 anos a 90. E a  prevalência de sobrepeso aumentou entre as idades de 22 a 64 anos, declinando depois dessas idades.

A equipe combinou com dados de prevalência do risco relativo everificou que há probabilidade de uma mulher com um fator de risco específico desenvolver doença cardíaca, em comparação com uma mulher sem esse fator de risco.

Depois de combinar esses dados, os pesquisadores observaram que, até a idade de 30 anos, o tabagismo teve a maior influência sobre o risco de doenças cardíacas.

Entre as idades de 30 e 90, no entanto, os baixos níveis de atividade física tiveram o maior efeito sobre os níveis mais elevados de risco da população, em comparação com qualquer um dos outros fatores de risco.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a todos os adultos 150 minutos de atividade física de intensidade moderada por semana, e os pesquisadores dizem que, se todas as mulheres entre 30 e 90 anos seguirem esta recomendação, então a vida de mais de 2.000 mulheres de meia-idade e mais velhas seriam salvo na Austrália a cada ano.

[…]

Eles acrescentam:

“Nossos dados sugerem que os programas nacionais para a promoção e manutenção da atividade física, ao longo da vida adulta, mas especialmente na idade adulta jovem, merece ser uma prioridade muito maior de saúde pública para as mulheres do que são agora”.

Embora eles observaram que a redução do tabagismo em mulheres jovens é importante, o foco deve ser colocado em manter-se fisicamente ativo; o foco principal tem sido a obesidade e IMC  atualmente, dizem.

 

Fonte: Medical News Today