PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER CADASTRE-SE AQUI

CONTATO

31 3222.0259 mapa
Rua da Bahia, 1900, 4º andar, Lourdes - Belo Horizonte
31 3335.8560 mapa
Av Olegário Maciel, 1600. Lourdes Shopping Diamond Mall - Belo Horizonte
21 mar 2014

Esportes radicais responsáveis ​​por maior risco de lesões na cabeça e coluna cervical

Um novo estudo apresentado Reunião Anual da Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos em 2014 (AAOS) constatou que a emoção dos esportes radicais tem um preço: o maior risco de lesões na cervical e cabeça.

Esportes radicais estão ganhando popularidade: A prática de skate subiu 49% com 14 milhões de adeptos nos EUA. Já  o snowboard, 7,2 milhões de entusiastas, com aumento de até 51% desde 1999.

Em um estudo pioneiro, pesquisadores revisaram dados do National Electronic Injury Surveillance System (NEISS ) para sete esportes populares em destaque no inverno e no verão dos X Games : Surf, Mountain Bike, Motocross, Skate, Snowboard, Snowmobile e Esqui na Neve. Os dados do banco de dados do NEISS foram coletado para cada esporte individual, e do tipo de lesão da cervical e cabeça: lacerações, contusões / abrasões, fraturas, entorses de pescoço e contusões de cabeça. O risco de fratura e concussão na cervical e crânio foram calculados utilizando as taxas de participação desportiva do Outdoor Foundation Participation Report de 2013.

Dos 4 milhões de feridos para os participantes do esporte, 11,3% sofreram lesão cervical ou de cabeça.  De todos esses, 83% apresentaram lesão na cabeça, enquanto 17% na cervical. Os dados incluíram todas as idades, no entanto, adolescentes e adultos jovens representaram a maior percentagem de lesões desportivas. Outros achados incluem: Os esportes com maior incidência de tais lesões:  Skateboarding ( 129.600 indivíduos) , Snowboard (97.527 indivíduos)  e Esqui (83313 indivíduos).

As concussões cerebrais foram a lesão mais comum entre os participantes de esportes radicais. O risco de sofrer uma concussão foi maior no Snowboard e skate;

Skatistas apresentaram maior risco de fraturas de crânio;

Surfers tiveram o maior risco de fratura cervical com um risco 38 vezes maior do que os skatistas;

A incidência de lesões na cabeça e cervical nos esportes radicais aumentou de 34.065 em 2000 para 40.042 em 2010, embora a tendência não era consistente ano a ano .

“A pesquisa fornece uma linha de base para um estudo mais aprofundado de tais lesões entre os participantes de esportes radicais”, disse Vani J. Sabesan , professor assistente de cirurgia ortopédica na escola da Universidade de Medicina de Michigan, e principal autor do estudo. “Há um entendimento de que esses esportes estão crescendo em participação, e que podem resultar em lesões significativas”.

Os resultados sugerem uma necessidade de a medicina esportiva e cirurgiões ortopédicos indicarem equipamentos mais seguros, melhor assistência médica no local de prática do esporte. “São necessárias mais pesquisas a respeito de lesões desportivas extremas”, disse Dr. Sabesan.

A Academia recomenda o uso de capacetes para ciclismo, esqui, snowboard e outros esportes.

Fonte: Medical News Today