PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER CADASTRE-SE AQUI

CONTATO

31 3222.0259 mapa
Rua da Bahia, 1900, 4º andar, Lourdes - Belo Horizonte
31 3335.8560 mapa
Av Olegário Maciel, 1600. Lourdes Shopping Diamond Mall - Belo Horizonte
7 abr 2015

Oxigenação cerebral em atletas de elite Quenianos pode contribuir para o sucesso em corridas de longa distância

Um estudo pioneiro no mundo da fisiologia do exercício, publicado pelo  Journal of Applied Physiology, descreve pela primeira vez que os atletas de elite do Quênia têm maior oxigenação do cérebro durante os períodos de esforço físico máximo, e que contribui para o seu sucesso em corridas de longa distância.

 

 

Doutor Jordan Santos-Concejero, do Departamento de Educação Física e Esporte da UPV / EHU, realizou uma pesquisa cujo objetivo foi analisar a resposta da oxigenação cerebral em ritmos máximos e progressivos, entre corredores quenianos de elite da tribo Kalenjin. Estes resultados foram apresentados à comunidade científica no Congresso Europeu de Ciências do Esporte em Amsterdã em julho passado, entrou para o Young Investigator Award e foram agora publicados pelo Journal of Applied Physiology. A pesquisa mostra que os corredores quenianos são capazes de manter a sua oxigenação cerebral dentro de uma faixa estável, o que pode contribuir para o seu sucesso em corridas de longa distância.

 

Os ensaios foram realizados nos laboratórios da Unidade de Investigação em Ciências do Exercício e Medicina Esportiva em Cabo Cidade Universitária e da Universidade de Stellenbosch (ambos na África do Sul). Uma amostra de 15 corredores quenianos de elite foi selecionada, todos da tribo Kalenjin, e cada um com conquistas significativas na Meia Maratona. A oxigenação cerebral foi estudada durante o exercício, utilizando NIRS e leituras de oximetria durante um trabalho de até 5 km e um teste máximo adicional.

 

Ao contrário dos estudos publicados na literatura, “explicou o médico Santos-Concejero”, podemos ver que os quenianos foram capazes de manter a sua oxigenação de forma estável durante os cinco quilômetros, com implicações para o desempenho dos atletas.

 

A atividade cerebral

 

Tem sido observado que, quando a oxigenação cerebral no lóbulo pré-frontal cai, a atividade neuronal nesta zona também cai. Esta zona está intimamente ligada ao controle de movimento e tomada de decisões,  assim, esta redução na atividade neuronal pode explicar a queda no desempenho observado entre os atletas europeus, com  oxigenação cerebral reduzida. Tendo em conta que, com os atletas quenianos, essa redução não ocorre, “nós acreditamos que a ativação neuronal no lóbulo pré-frontal não está comprometida e, talvez, essa capacidade de manter a sua oxigenação cerebral de forma estável possa contribuir para o seu grande desempenho em corridas de longa distância “, explicou o professor UPV / EHU.

 

A pesquisa também se concentrou sobre as possíveis causas desta particularidade de atletas africanos. Atribuiu a sua oxigenação cerebral estável durante o máximo de esforço a fatores de estilo de vida precoces, como a exposição pré-natal a grandes altitudes e os altos níveis de atividade física durante a infância. “A exposição pré-natal a altas altitudes tem efeitos protetores sobre o feto, maior fluxo de sangue para a artéria uterina, que pode envolver uma maior capacidade cardiopulmonar na idade adulta e, conseqüentemente, menor incidência de dessaturação arterial durante exercícios de alta intensidade”, concluiu a pesquisa.

 

Além disso, a realização de exercício físico regularmente durante a infância implica em benefícios como aumento da massa ventricular e coordenação motora, menores níveis de citocinas e, mais importante, um maior crescimento neural como uma conseqüência da maior vascularização do encéfalo. “Este último ponto pode explicar em parte por que sua oxigenação cerebral é mantida durante períodos de esforço máximo”, afirmou Jordan Santos-Concejero.

 

Fonte: Medical News Today