PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER CADASTRE-SE AQUI

CONTATO

31 3222.0259 mapa
Rua da Bahia, 1900, 4º andar, Lourdes - Belo Horizonte
31 3335.8560 mapa
Av Olegário Maciel, 1600. Lourdes Shopping Diamond Mall - Belo Horizonte
18 out 2013

Modificando os riscos de fratura por estresse

Programas para melhorar os padrões de movimento podem ajudar a prevenir fraturas por estresse em atletas e militares, dizem pesquisadores que apresentaram seus trabalhos na Sociedade Ortopédica Americana para a reunião anual da Sports Medicine, em Chicago , IL.

“Vários fatores musculares e biomecânicos potencialmente modificáveis, podem ter um papel importante no aumento das taxas de fraturas por estresse em atletas e militares “, disse Kenneth L. Cameron , PhD , MPH , ATC, autor e diretor da Orthopaedic Research no Hospital do Exército Keller , West Point, NY. “É possível que os programas de prevenção de lesões específicos para abordar estes padrões de movimento, possam ajudar a reduzir o risco de fratura por estresse”.

Cameron e seus colegas analisaram dados da coorte JUMP- ACL (estudo existente de cadetes militares), detalhando a análise do movimento durante uma tarefa de aterrissagem do salto no início da carreira militar de cada participante. Eles estudaram 1.843 pessoas entre os anos de 2009 a 2012, sendo que 94 indivíduos apresentaram fratura por estresse em membros inferiores durante o período de follow -up.

A taxa de incidência de lesões de fratura de estresse entre as mulheres era quase três vezes maior quando comparado a homens. A rotação interna do joelho e os ângulos de adução durante a aterrissagem foram associados a taxas maiores de fraturas por estresse nos membros inferiores, assim como a redução dos ângulos de flexão do joelho e quadril, com consequente aumento das forças de reação vertical e medial do solo.

“Padrões de movimento das extremidades inferiores e nível de força têm sido associados com fraturas por estresse e lesões por overuse. No entanto, nosso estudo é um dos primeiros a identificar a rotação dinâmica do joelho e ângulos no plano frontal como importantes fatores de risco potenciais para fraturas por estresse dos membros inferiores. Esperamos que através de uma melhor compreensão dos padrões de movimento associados à extremidade inferior, possamos ajudar a criar programas de prevenção para tal lesão” , disse Cameron.

 

Fonte: Medical News Today