PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER CADASTRE-SE AQUI

CONTATO

31 3222.0259 mapa
Rua da Bahia, 1900, 4º andar, Lourdes - Belo Horizonte
31 3335.8560 mapa
Av Olegário Maciel, 1600. Lourdes Shopping Diamond Mall - Belo Horizonte
17 set 2013

Estresse pode prejudicar a memória e diminuir a imunidade do organismo

Além disso, o estresse pode afetar os cabelos, a boca e até envelhecer. Médicos alertam que o corpo precisa de descanso físico, mental e social.

Acordar cansado, ficar com as unhas e os cabelos fracos, sentir a pele oleosa e ter dor de cabeça, por exemplo, são alguns dos sinais de alerta que podem indicar que o corpo está estressado. Como explicaram a pediatra Ana Escobar e o geriatra Carlos André Freitas dos Santos no Bem Estar desta quinta-feira (19), o estresse pode refletir em várias partes do corpo, como cabelos, unhas, boca, dentes e até mesmo no cérebro, além de acelerar o processo de envelhecimento, prejudicar a memória e até mesmo diminuir a imunidade do organismo.

De acordo com os médicos, há uma série de sinais de alerta e, caso a pessoa tenha dois ou mais, é provável que ela esteja muito estressada e precise buscar tratamento. Por exemplo, no cabelo e unhas, pode ocorrer uma deficiência de vitaminas e nutrientes,o que causa queda e a quebra; na pele, podem piorar as espinhas, a psoríase, a vitiligo e as dermatites; nos dentes, o nervosismo pode levar ao bruxismo, que causa dor na ATM e pode até mudar o formato do rosto; na boca, pode aparecer o herpes; os músculos podem ter problemas para se desenvolverem mesmo se a pessoa fizer atividade física; no cérebro, pode ocorrer uma diminuição da produção de neurotransmissores, o que prejudica a memória; por fim, o sangue pode ter uma redução das células de defesa e um aumento do cortisol, hormônio do estresse.

De acordo com a pediatra Ana Escobar, esse hormônio funciona como uma arma contra infecções, vírus, bactérias e inimigos desconhecidos – quando ele é acionado, é como se o corpo entrasse em estado de alerta. Porém, no caso de pessoas muito estressadas, esse estado de alerta é permanente e o corpo gasta energia à toa para se defender de um inimigo que não está dentro, mas fora do organismo.

Em alguns casos, é feito um exame de medição do cortisol, como no caso do Zezinho, mâitre de uma cantina italiana, mostrado na reportagem da Natália Ariede. No entanto, como alertou o geriatra Carlos André Freitas dos Santos, esse exame não é a forma de detecção mais tradicional do estresse já que pode sofrer algumas alterações. De acordo com o médico, a análise clínica continua sendo a mais eficiente até porque não é tão fácil encontrar a dosagem de cortisol em qualquer lugar.

Uma das dicas principais para melhorar o estresse é o descanso – porém, como alertaram os médicos, quem passa o dia trabalhando no computador, por exemplo, não deve descansar também no computador já que o cérebro pode ter dificuldades para distinguir trabalho e lazer quando ambos adquirem a mesma forma. A recomendação, portanto, é dividir o descanso em três etapas: o físico, com atividade física; o social, com família e amigos; e o mental, com exercícios de espiritualidade e criatividade, por exemplo. Além disso, como recomendou a pediatra Ana Escobar, é bom também realizar alguma atividade prazerosa, pelo menos, uma vez ao dia.

Outra dica para reduzir os efeitos do estresse é tomar os polivitamínicos, já que ele pode causar uma deficiência de nutrientes e vitaminas. Porém, como alertou o geriatra Carlos André Freitas dos Santos, é extremamente importante consultar um médico ou nutricionista antes de recorrer a essa suplementação.

Fonte: G1 Ciência e Saúde