PARA RECEBER NOSSA NEWSLETTER CADASTRE-SE AQUI

CONTATO

31 3222.0259 mapa
Rua da Bahia, 1900, 4º andar, Lourdes - Belo Horizonte
31 3335.8560 mapa
Av Olegário Maciel, 1600. Lourdes Shopping Diamond Mall - Belo Horizonte
14 nov 2013

O exercício aeróbico melhora a memória, a função do cérebro e a aptidão física

Novo estudo realizado por pesquisadores do Centro de BrainHealth na Universidade do Texas em Dallas, publicado online na revista Frontiers, de acesso aberto na Aging Neuroscience, descobriu que engajar-se em um programa de exercício físico, ajuda adultos mais velhos saudáveis a melhorar a sua memória, a saúde do cérebro e aptidão física. Esta descoberta é importante, considerando que entre adultos com 50 anos ou mais, “estando mentalmente afiados” a segurança social e saúde física são consideradas as principais prioridades e preocupações nos Estados Unidos.

 Angiografia cerebral que indica ausência de fluxo sanguíneo cerebral (Foto: <EM>site</EM> Anestesiologia)

“A ciência tem mostrado que o envelhecimento, a diminuição da eficiência mental e o declínio da memória compõem um grande número de queixas entre os idosos “, disse Sandra James Bond Chapman , Ph.D., fundadora e diretora/chefe do Centro de BrainHealth”. Esta pesquisa mostra o grande benefício do exercício aeróbico sobre a memória de uma pessoa e demonstra que tal atividade pode reduzir tanto as conseqüências biológicas quanto cognitivas do envelhecimento. ”

Para o estudo, adultos com idades entre 57-75, sedentários, foram divididos aleatoriamente em um treinamento físico ou incluídos em um grupo controle. O grupo participou de treinamento físico aeróbico supervisionado com exercícios em uma bicicleta ergométrica ou esteira por uma hora, três vezes por semana, durante 12 semanas. A cognição dos participantes, o fluxo sanguíneo cerebral  e aptidão cardiovascular foram avaliados em três momentos: antes de iniciarem os exercícios, após  6 semanas de treino , e ao final das 12 semana programadas.

“Medindo o fluxo sanguíneo cerebral (sem procedimento invasivo e usando MRI), podemos começar a detectar alterações cerebrais muito mais cedo do que antes “, disse Sina Aslan, Ph.D., fundador e presidente da Advance MRI e colaboradora o estudo . ” Uma região fundamental onde vimos aumento do fluxo sanguíneo cerebral foi na região ântero-medial do cérebro, o que  indica uma maior atividade neuronal e taxa metabólica. Tal região, tem sido associada à cognição superior, no fim da vida . ”

Exercícios que melhoraram o desempenho da memória também apresentaram maior aumento no fluxo sanguíneo cerebral no hipocampo – região chave do cérebro, afetada pela doença de Alzheimer. Chapman apontou que, usando técnicas não invasivas de imagem cerebral, as mudanças cerebrais foram identificadas mais cedo do que as melhorias da memória, implicando a quantidade de fluxo sanguíneo cerebral como uma métrica promissora e sensível de ganhos em saúde do cérebro através de tratamentos específicos.

“O exercício físico pode ser uma das terapias mais benéficas e de baixo custo, amplamente disponível para todos, podendo aumentar o desempenho da memória, ” diz o Dr. Chapman. “Estes resultados devem motivar os adultos de todas as idades a começarem a se exercitar aerobicamente”.

Chapman alertou que, embora o exercício físico esteja associado a um aumento do fluxo sanguíneo cerebral seletivo ou regional, não foi produzida uma mudança no fluxo sanguíneo cerebral global.

“Em outro estudo recente, mostramos que o treinamento mental complexo aumenta todo o fluxo sangüíneo cerebral, bem como o fluxo sanguíneo cerebral regional nas principais regiões do cérebro,”, disse Chapman. “A combinação de exercício físico e mental pode ser a melhor medida de saúde para melhorar a condição geral do cérebro cognitivo”. Nós apenas começamos a testar como podemos melhorar o desempenho do nosso cérebro em idade avançada. Pensar que podemos mudar e melhorar a estrutura básica do cérebro maduro através de exercícios aeróbicos e pensamentos complexos (que estimulam a memória) deve inspirar-nos a desafiar nosso modo de pensar e se movimentar em qualquer idade. ”

Fonte: Medical News Today